Anuncios

SEJA NOSSO PATROCINADOR, DIVULGUE SUA MARCA E SEJA RECOLHECIDO MUNDIALMENTE!
 

Um dos integrantes do grupo que planejava invadir o Maracanã


Os 23 integrantes do grupo que planejava uma invasão ao Estádio do Maracanã durante o jogo do Flamengo x Grêmio, na noite desta quarta-feira, ficarão presos por cinco dias, conforme o mandado de prisão temporária expedido pela Justiça. A delegada Carina da Silva Bastos, titular da 18ªDP (Praça da Bandeira), que comanda as investigações, disse que mais um envolvido foi preso nesta manhã. O homem foi detido em Resende, cidade do Sul fluminense.
— Os policiais ainda estão em diligências para prender outros integrantes do grupo. O objetivo é impedir qualquer tentativa de confusão no jogo de hoje — avisou a delegada, lembrando que ainda faltam quatro mandados de prisão a serem cumpridos.
Um dos presos chegando na Cidade da Polícia

O Juizado Especial Criminal (Jecrim) expediu 27 mandados de prisão e 89 mandados de intimação. Ao todo, 300 homens em 113 equipes foram mobilizadas na madrugada de terça-feira para ações na Região Metropolitana e no interior do Estado do Rio. Na ação, dois mortos e dois feridos.
A investigação mostrou que o bando havia agendado uma concentração para as 18h, no Parque da Candelária, na favela da Mangueira, na Zona Norte do Rio. O local fica a 400 metros do estádio e o percurso pode ser feito a pé em cinco minutos. A informação consta na decisão do juiz Bruno Monteiro Rulière, que autorizou a prisão temporária de 27 pessoas.
De acordo com o inquérito da 18ª DP, o grupo de supostos torcedores do Flamengo estaria convocando pessoas nas redes sociais para a invasão. "Os elementos de informação até então colhidos dão conta de, em tese, a constituição de uma associação de mais de 100 (cem) indivíduos, com o fim específico de cometer diversos crimes no entorno e dentro do estádio", escreve o magistrado, acrescentando que os acusados queriam se valer da atuação de uma "multidão delinquente" para promover episódios de "violência gratuita, selvageria e barbárie". Jornal Extra.
Reações:
 
Top