Anuncios

SEJA NOSSO PATROCINADOR, DIVULGUE SUA MARCA E SEJA RECOLHECIDO MUNDIALMENTE!
 

Estudantes e ativistas ambientais protestam em Atenas, na Grécia. Foto: ALKIS KONSTANTINIDIS / REUTERS
Estudantes e ativistas ambientais protestam em Atenas, na Grécia. Foto: ALKIS KONSTANTINIDIS / REUTERS


Milhões de jovens ao redor do mundo deixaram de ir às aulas nesta sexta-feira para participarem de atos pelo meio ambiente . A greve global pelo clima ocorre às vésperas da Cúpula do Clima das Organizações das Nações Unidas ( ONU ), segunda-feira, em Nova York.
Há atos marcados em 150 países exigindo ações dos governantes e empresários contra o aquecimento global . Mais de 5 mil protestos são esperados, em uma sequência que deve terminar com uma enorme manifestação em Nova York. Segundo as primeiras avaliações, com base nos atos que já aconteceram na Ásia e na Europa, as manifestações de hoje podem ser as maiores da História.
No Brasil, as principais capitais também devem ter atos semelhantes. Veja na fotogaleria as imagens dos protestos ao redor do mundo .
 Em Nova York, onde o prefeito Bill de Blasio liberou os alunos das aulas, espera-se que mais de um milhão de estudantes compareçam às ruas. Por lá ocorre, neste sábado, a Cúpula da Juventude para o Clima, também na ONU. Serão recebidos 100 representantes do mundo todo, entre 18 e 29 anos, para discutir as medidas necessárias a serem tomadas contra o aquecimento global.

Sexta-feira virou dia de ir às ruas

O movimentou começou com o apelo da ativista ambiental sueca Greta Thunberg , de 16 anos, que desde o ano passado tem feito protestos pacíficos com estudantes às sextas-feiras, com o nome de "Fridays for Future" ("sextas pelo futuro"). A campanha mobilizou crianças e jovens para um papel mais ativo em convencer os adultos a tratar a questão climática com mais seriedade.
Jovens e ativistas protestam contra as mudanças climáticas em frente ao portão de Brandemburgo, em Berlim. Foto: FABRIZIO BENSCH / REUTERS
Jovens e ativistas protestam contra as mudanças climáticas em frente ao portão de Brandemburgo, em Berlim. Foto: FABRIZIO BENSCH / REUTERS

Os estudantes exigem que políticos e empresários adotem medidas drásticas necessárias para deter o aquecimento global, que, segundo os cientistas, provocará uma catástrofe ambiental.
Na véspera da greve desta sexta, Greta reafirmou que há soluções que estão sendo "ignoradas", e pediu que os mais jovens tomem a iniciativa contra o aquecimento global.
— Tudo conta, o que você faz tem importância —, disse em mensagem aos seus seguidores.
Os primeiros eventos da greve aconteceram nas ilhas Vanuatu, Salomão e Kiribati, no Pacífico, territórios ameaçados pela elevação do nível do mar devido ao aquecimento global. Nestas ilhas, as crianças e jovens estudantes cantaram "não estamos fugindo, estamos lutando".
Um pouco mais tarde, a greve teve a adesão de milhares de jovens da Austrália e região do Pacífico, que protestaram em Sidney, Melbourne e dezenas de outras cidades.
— Estamos aqui para mandar uma mensagem aos poderosos, aos políticos, para lhes mostrar que estamos preocupados e que isto é realmente importante para nós —, disse Will Connor, um jovem de 16 anos de Sidney. O Globo.
Reações:
 
Top